NexB | Pandemia interfere no mercado de M&As, mas perspectivas para este ano são positivas no Brasil | M&A - Fusões e Aquisições, Consultoria Empresarial e Serviços Financeiros

Pandemia interfere no mercado de M&As, mas perspectivas para este ano são positivas no Brasil

Pandemia interfere no mercado de M&As, mas perspectivas para este ano são positivas no Brasil

Pandemia interfere no mercado de M&As, mas perspectivas para este ano são positivas no Brasil

A pandemia da Covid-19 afetou sensivelmente quase todas as atividades de mercado, independentemente do segmento e do porte de empresas, no Brasil e no mundo. 

A realidade não foi diferente no mercado de M&A, processo de fusão e aquisições de empresas, que também foi impactado pelo problema.

Agora, sob os efeitos da chamada segunda onda da doença, o Brasil apresenta dados referentes ao primeiro bimestre deste ano que chamam bastante à atenção.

Ao mesmo tempo em que houve uma redução de 18% no número de operações, foi registrado um crescimento de 183% no volume de dinheiro movimentado.

Os dados são do TTR (Transactional Track Record) e comparam os meses de janeiro e fevereiro deste ano ao mesmo período do ano passado.

A queda do número de operações é resultado das medidas restritivas adotadas pelas autoridades de Saúde para enfrentar a crise sanitária.

No entanto, a vacinação e a possibilidade de retomada das atividades normais que ela representa, leva economistas e especialistas em mercado a fazerem projeções otimistas.

Isso porque os mercados de M&A e o de investimento em capital, de forma geral, trabalham com perspectivas de prazo mais longo.

O empresário Paulo Teruya, sócio da CPV Investments, empresa investidora da NexB, explica como está o cenário no momento e os prováveis desdobramentos para o futuro.

“Uma boa mostra da situação atual pode ser o movimento recorde de abertura de capital de empresas que ocorreram nestes primeiros meses do ano”, afirma.

Segundo ele, a maior parte dos recursos captados deve ser direcionada para aquisição de outras empresas, reforçando as projeções positivas para o M&A em 2021.

Participação dos EUA em operações de M&A no Brasil cresceu 133% no primeiro bimestre

Os dois primeiros meses do ano registraram também um crescimento significativo na entrada de capital norte americano no Brasil.

O aumento registrado foi de 133%, que para Paulo Teruya pode ser explicado por alguns fatores determinantes.

Um deles é a boa relação comercial entre Brasil e Estados Unidos. Outro, é a queda do valor do real em relação ao dólar americano.

O empresário fala da confiança na retomada no crescimento das operações de M&A ao longo de 2021, com o aquecimento da economia.

“Deverão surgir excelentes oportunidades nos setores que foram mais prejudicados pela pandemia se o governo conseguir acelerar o processo de imunização da população”, diz.

Para o empresário, a pandemia alterou os hábitos de consumo, impulsionando alguns setores do mercado e retraindo outros, que sentiram fortemente os impactos. No entanto, os setores mais afetados devem reagir paralelamente à retomada da economia, voltando à normalidade assim que as atividades forem retomadas.